13 de fev de 2009

Artes marciais X Internet

Ah, a internet!

A grande rede mundial que permite que qualquer pessoa tenha acesso qualquer tipo de informação ou converse com alguém que esteja á milhas de distância com a mesma velocidade do cara-a-cara. Dá até pra fazer curso por vídeo-aula no Youtube ou DVD! Conheço quem aprendeu modelagem 3D só acompanhando apostila pela internet.

Se você tem um negócio divulgue seu produto ou serviço na internet. Ter um site é uma maneira barata e funcional de dizer que sua empresa existe. E como designer digo ainda que o simples layout do seu site passa muito mais informações ao seu cliente do que ele mesmo tem consciência, ou do que você supõe que o seu webdesigner planejou. Um banner animado é igualmente (ou talvez até mais) eficaz do que distribuir panfletos. Claro que isso também não quer dizer que você tenha que abandonar recursos de divulgação impressa como folders, placas, cartazes... Afinal nem tudo exige divulgação via web e nem todo mundo que compra seu produto ou serviço tem tempo, conhecimento ou paciência pra ficar na frente do computador pesquisando sobre um produto quando é mais conveniente ir até uma loja.

E artes marciais? Dá pra vender/aprender uma arte marcial pela internet? Ou por DVDs ou livros? Dá pra treinar karate pela internet lendo artigos e assistindo vídeos como dá pra aprender o truque de “mágica com cartas” http://www.youtube.com/watch?v=uA3oCkov6ao vendo esse vídeo?

(Tá, o exemplo nem é tão bom assim, mas enfim...)

Antes de mais nada é preciso esclarecer que treinar uma arte marcial, seja o karate, o jiu-jitsu, o kung-fu, muai thay, taekwondo, judô, boxe ou qualquer outra arte ou técnica de luta, demanda um vasto tempo de treino, dedicação, paciência e principalmente SUPERVISÃO, em outras palavras, um bom mestre. E não apenas porque existem exercícios que, se executados de maneira incorreta, podem causar lesões permanentes, mas também para evitar que o aluno crie "vícios", além de outros motivos. O aprendizado é constante e não tem data pra acabar, por isso muitos praticantes costumam dizer que sua arte “é um caminho para a vida toda”. E um bom mestre de uma arte é exatamente isso: uma pessoa que dedicou boa parte da vida naquela arte, tendo ele experiência, conhecimento e propriedade pra ensinar da melhor forma possível.

Outro fator importante para o aprendizado de uma arte marcial é um “instrutor secundário” que tenha mais experiência que você, pois é ele quem irá te ajudar a assimilar melhor as técnicas e os exercícios passados pelo professor, principalmente quando a aula acontece em turmas o instrutor é o braço direito e os olhos do professor. Sem contar que, muito provavelmente é com ele que o aluno põe em prática as técnicas aprendidas de modo que estas possam ser avaliadas e corrigidas.

Um terceiro fator de muita ajuda mas que pode ser dispensado, é um companheiro de treino que tenha um nível próximo ao seu. É possível que você se sinta mais à vontade perto de alguém que tenha dificuldades parecidas com as suas. Observando os erros dele, você começa um processo de auto-avaliação (afinal você não vai querer repeti-los), e vice-versa, ao mesmo tempo em que um poderá ajuda o outro de acordo com o que foi passado em aula.

E por último, um espaço razoável para treino e se possível alguns equipamentos (que podem variar de arte para arte).

Uma vez munido de todas essas “ferramentas”, você já pode caçar um mestre pela internet (???). O que acham desse aqui? http://interdojo.com/

To be continued...

Oss!

3 comentários:

Eduardo disse...

Excelente e atual artigo.Na minha opinião tudo deriva das mudanças que ocorrem às artes marciais. Hoje são raros os Dojos tradicionais onde a relação discípulos X Sensei está profundamente ligada aos fundamentos, essência e tradicionalismo da arte. No caso do Karate, hoje vemos que sua versão "olímpica" é totalmente esportiva e distinta das raízes marciais. Li ontem numa revista de A.M. (de alguns anos atrás) um artigo onde uma moça campeã de Karate em alguns títulos, deixou sua federação e mudou para outra para lutar por outros títulos, inclusive estava se filiando ao Taekwondo para disputar também nessa arte!!! Que absurdo!!! Se situações assim são corriqueiras no Karate olímpico, imagine como são bem aceitas as "novidades" da net!!!
Lendo seu artigo percebo que sim, a Internet tem grande alcance para esses praticantes que desconhecem a marcialidade de sua arte. Se hoje temos Karate pela net com direito a exames de faixa por filminho de celular é só o começo. Sem dúvida num futuro próximo teremos aberrações piores!
A Internet, dada a abrangência mundial, causa grandes danos mas outros meios como DVD,s e péssimos livros são prejudiciais. Claro que existem ótimos livros mas muitos são exclusivamente comerciais. Comprei outro dia num sebo, movido apenas pela curiosidade, um livro com o título "Karate, a arte de socar"!!! A arte de socar??? Como assim??? Nem o autor do livro conhece o Karate para denominá-lo "arte de socar"!!!
Ale, hoje você e eu temos a sorte de pertencermos a um Dojo tradicional e com um Sensei profundamente ligado às raízes de nossa arte, porém, aqueles que se propõem a praticar uma arte marcial e desconhecem essas diferenças correm grande risco de praticarem apenas um esporte. Pior ainda aqueles que preferirem se graduar via computador, afinal nem precisa de dogi pois uma bermuda e um celular que filma resolve tudo.
OSS!!

Sensei Rogério Santos disse...

Gostei deste artigo, exprime realmente toda a realidade a qual estamos vivenciando. Nesses dias fico pensando aonde se encontram verdadeiros artistas marcias. Porque o que mais vejo é atleta marcial. Aprendi que em Karate não se decidi quem é o vencedor ou o perdedor. Mas aprende a ser um verdadeiro cavalheiro, guerreiro e heroi da justiça. E também aperfeiçoar o caráter, como amo essa palavrinha caráter. Longe de mim dizer que sou perfeito em caráter. Quanto mais treino Karate vejo que estou em constante aperfeiçoamento. Porque a distância que tem de mim para o céu é identica à distância que tem de mim para o domínio completo do Karate. Infelismente essa relação discípulo e mestre parece se distânciar para alguns. Como tenho saudades dos bons tempos que em Karate havia essa vivência dentro do dojo. São poucos os dojos de que tenho notícias, ainda se vive como se fosse um clã. Isso faz o meu coração vibrar de alegria. A internet é como uma moeda de duas faces,onde o indivíduo faz a opção feliz ou infeliz. Se feliz foi porque ele buscou na melhor fonte ilibada do conhecimento; adquirindo o melhor. Se infeliz, talves seja porque sua preocupação não seja valores e virtudes. Mas sim buscar outra coisa para alimentar o seu ego. OSS!!

Unknown disse...

Realmente, quando eu comecei a treinar karatê, eu fui conquistado por essa arte, mas não porquê eu queria ficar bom em artes marciais , mas sim porque eu via que tudo tinha sentido e que esta arte tinha um toque especial, diferente de outras artes que só visam machucar,e que a simples mão fechada perto do queixo jé é a defesa. E que o professor respeita assim ganhando o respeito. Mas realmente com o mma e a internet no auge, o lutador de arte marcial pura acaba se confundindo e se perdendo. Não que eu só ache que o shotokan seja a arte boa pq não tem problema eu quere aprender jiu-jitsu ou outra arte, mas sim ter condições de separar cada coisa. Assim ganhando a verdadeira técnica.
oss!